quinta-feira, 25 de agosto de 2011

"O que é mídia-educação?" de Maria Luiza Belloni


É um livro pequeno e fininho, mas cheio de passagens super importantes, que relacionam mídia e educação. É uma pequena bíblia sobre o assunto e compartilho aqui alguns trechos que destaquei na minha síntese de 10 páginas, como já fiz com outros livros por aqui.

A ideia é ajudar pessoas interessadas no assunto, que não conhecem o livro e com uma síntese podem se familiarizar melhor, antes de se debruçarem numa leitura mais cuidadosa.

O que é mídia-educação?
Maria Luiza Belloni

Prefácio – Maio de 2009

“Não observamos, no Brasil, avanços significativos no que diz respeito a mídia-educação e os principais obstáculos a seu desenvolvimento continuam ativos. O que não significa que não exista uma multiplicidade de experiências singulares inovadoras e importantes, mas elas são fruto do trabalho incansável de professores, jornalistas, comunicadores, religiosos, todos eles, mídia-educadores militantes e têm, por sua própria natureza, abrangência restrita quando não um estatuto marginal”. Neste sentido, 'a mídia-educação ainda continua ignorada e ausente.'

“Da ‘aldeia global’ passamos à ‘sociedade da informação ou do conhecimento’ e à ‘sociedade em rede’, com suas utopias próprias: inteligência coletiva, cibercultura, liberdade de expressão, democratização da cultura e do conhecimento, etc.” ... “As indústrias culturais (rádio, cinema, televisão, impressos) viveram uma verdadeira ‘revolução tecnológica’ decorrente do progresso técnico nas telecomunicações e na informática, cujo resultado é a digitalização de praticamente todos os dispositivos técnicos no trabalho ou em casa, particularmente os de comunicação.”.... “Com a difusão acelerada das TIC e da Internet, os usuários têm acesso a mídias sofisticadas que permitem interatividade com programas, interação com outros internautas e acesso à informação e entretenimento quase sem limites.”

“O papel da mídia-educação, neste contexto, torna-se ainda mais crucial, porém sua realização se revela mais  complexa ante as ilusões libertárias e igualitárias contidas nas promessas da ‘rede’. As novas tecnologias representam, evidentemente, novos desafios para a mídia-educação que deve aprender a lidar com: i) uma cultura midiática jovem, muito mais interativa e participativa; ii) fronteiras menos precisas entre uma elite produtora de mensagens e a massa de consumidores típica de massa; iii) novos modos de perceber o mundo e de aprender; iv) novas formas de fazer política e significativas possibilidades democráticas. As formas e os sentidos de que se vão revestir essas novas potencialidades ainda não realizadas dependem dos modos de relações que os jovens vão desenvolver com as mídias: apropriações mais democráticas, críticas e criativas dependerão, em grande parte, da capacidade de a sociedade oferecer oportunidades de mídia-educação às novas gerações.”

“A mídia-educação é hoje tão necessária ao exercício da cidadania quanto era a alfabetização no século XIX.” Ela poderia ser entendida também como uma espécie de  inclusão digital, ou seja, “à apropriação dos modos de operar estas ‘máquinas maravilhosas’, que abrem as portas do mundo encantado da rede mundial de computadores, possibilitando que o usuário se torne também produtor de mensagens. As dimensões da mídia-educação como objeto de estudo, isto é, ‘leitura crítica’ de mensagens, e ferramenta pedagógica, que diz respeito a seu uso em situações de aprendizagem, continuam fundamentais para a implementação de sua prática nos espaços escolares associativos.” 

Para isso, "será necessário que a mídia-educação penetre efetivamente nos sistemas de ensino de modo interdisciplinar e transversal, oficial e integrado ao cotidiano das práticas pedagógicas.” 

É preciso haver uma ‘profunda transformação cultural’ e “que a vontade política responda à demanda social e que a mídia-educação seja inscrita nas prioridades educacionais, o que depende da convicção e da mobilização de educadores comprometidos com a qualidade do ensino e com a cidadania.”

“É preciso também entender como as novas gerações se apropriam das técnicas de informação e comunicação que o avanço técnico vai colocando...” e “quais os modos como a instituição escolar, e especialmente os professores, estão se apropriando destes instrumentos e os integrando (ou não) ao seu cotidiano.”

Belloni acredita ‘na educação e na comunicação como instrumentos de luta para emancipação dos indivíduos e das classes, e não apenas como meras estruturas de dominação e reprodução das desigualdades sociais.’

É preciso que o estatuto da Criança e Adolescente saia do papel e ganhe realidade no Brasil, ‘assegurando que todas as crianças brasileiros tenham acesso efetivo a uma educação de qualidade com todas as tecnologias disponíveis e a uma comunicação livre e sem preconceitos.”

P. 1, 2 e 3

Capítulo 1 – A mediação escolar indispensável para a cidadania

“A criança terá direito à liberdade de expressão; este direito inclui a liberdade de procurar, receber e partilhar informação de todos os tipos, independentemente de fronteiras, seja oral, escrita ou impressa, na forma de arte ou através de qualquer outro meio de escolha da criança” (Convenção da ONU sobre direitos da criança e do adolescente, 1989)

Para isso é preciso ‘formar o cidadão competente para a vida em sociedade, o que inclui a apropriação crítica e criativa de todos os recursos técnicos à disposição desta sociedade.’

Autodidaxia: novos modos de aprender

Faz 40 anos que Mc Luhan lançou “o meio é a mensagem” e muitos tentam entender ‘o que e como se aprende por intermédio das mídias’. ‘Ao transmitir a mensagem, afirmava ele, o meio transmite também algo que lhe é mais inerente e que age sobre o conteúdo, transformando-o. Este algo a mais é o que chamamos de ‘linguagens das mídias eletrônicas’. P. 6

“Crianças que vêem televisão têm melhores aptidões para construir conceitos de relações espaços-temporais, para compreender as relações entre o todo e suas partes, e até para identificar os ângulos das ‘tomadas de imagens’. Isso significa um ‘reforço das faculdades de abstração, pois qualquer teria, é antes de mais nada, uma maneira de ver as coisas (Greenfield, 1988) Parece incontestável, hoje, que as crianças desenvolvem por impregnação capacidades cognitivas e perceptivas, como por exemplo: fazer anotações enquanto vêem um programa de vídeo; inventar uma boa pergunta para animar um chat; saber intervir num programa de TV interativa (jogo, teleconferência, etc) reconhecer um quadro famoso ou estilo de um pintor, reconhecer e identificar um trecho musical, entre muitas outras já conhecidas e banalizadas, e outras ainda inimagináveis. (Perriault, 1996 p.241) p. 6-7

“O desenvolvimento de uma maior autonomia no contato com estas mídias favorece o surgimento de outras competências tais como organizar e planejar seu tempo, suas tarefas, fazer testes, responder formulários, etc.” ... “Em contrapartida, o fascínio que estas máquinas exercem sobre crianças e adolescentes pode levar a situações de mania e/ou dependência, da medida em que as pessoas se desligam facilmente da realidade física e sócio-afetiva circundante para se ligarem em alguma dessas realidades virtuais, propiciadas por uma dessas máquinas maravilhosas.” P. 7

Questões a serem formuladas:

- Como poderá a escola contribuir para que todas as nossas crianças se tornem utilizadoras (usuárias) criativas e críticas destas novas ferramentas e não meras consumidoras compulsivas de representações novas de velhos clichês?

- Como pode a escola pública assegurar inclusão de todos na sociedade do conhecimento e não contribuir para a exclusão de futuros ‘ciberanalfabetos’?

Dupla dimensão da integração das TIC na educação: mídia-educação e comunicação educacional

Como lidar com estes desafios?

-Integração das tecnologias de modo criativo, inteligente e distanciado, no sentido de desenvolver a autonomia e a competência do estudante e do educador enquanto ‘usuários’ e criadores das TIC e não como meros ‘receptores’.

-Mediatização do processo de ensino/aprendizagem aproveitando ao máximo as potencialidades comunicacionais e pedagógicas dos recursos técnicos: criação de materiais e estratégias, metodologias, formação de educadores (professores, comunicadores, produtores, tutores), produção do conhecimento.

“A escola deve integrar as tecnologias de informação e comunicação porque elas já estão presentes e influentes em todas as esferas da vida social, cabendo à escola, especialmente a pública, atuar no sentido de compensar as terríveis desigualdades sociais e regionais que o acesso desigual a estas máquinas está gerando!” p. 10

Capítulo 2 – Da tecnologia à comunicação educacional

“A educação das mídias é condição necessária na educação para cidadania, sendo um instrumento fundamental para a democratização das oportunidades educacionais e do acesso ao saber e, portanto, de redução das desigualdades sociais.” (Belloni, 1991 e 1995) p. 12

“A noção de educação para as mídias abrange todas as maneiras de estudar, de aprender e de ensinar em todos os níveis (...) e em todas as circunstâncias, a história, a criação, a utilização e a avaliação das mídias enquanto artes plásticas e técnicas, bem como o lugar que elas ocupam na sociedade, seu impacto social, as implicações da comunicação mediatizada, a participação e a modificação do modo de percepção que elas engendram, o papel do trabalho criador e o acesso às mídias.” (UNESCO, 1984) p.12

Belloni fala das visões apocalípticas em torno das mídias. Visões de que as máquinas dominarão o mundo e punirão os homens, frequentemente retratadas em filmes e histórias.

“Vivemos numa era da informação: na qual a informação é uma nova moeda de troca, ou uma nova medida de valor, constituindo uma nova ‘ficha simbólica’ tão importante quanto o dinheiro (Giddens, 1994). A ideia da sociedade da informação faz parte também do discurso oficial das organizações internacionais, como a UNESCO por exemplo, que considera as TIC ‘como elemento essencial para compreender as sociedades contemporâneas’ (Relatório Delors, UNESCO, 1996).” P. 21

“As TIC avançaram mais rapidamente que a própria informação!” p. 21

“Para compreender o impacto dessas tecnologias nas sociedades e instituições, nos processos e relações sociais, na produção e reprodução da sociedade e de suas estruturas simbólicas, é necessário ir além das considerações técnicas – sejam elas ‘apocalípticas’ ou ‘deslumbradas’. É preciso valorizar o mundo real dos sujeitos, considerá-los como protagonistas de sua história e não como ‘receptores’ de mensagens e consumidores de produtos culturais. É preciso retomar a velha fórmula: abandonar o conceito ‘do que a televisão faz às crianças’ e substituí-lo pelo conceito ‘do que as crianças fazem com a televisão’. (Schramm, 1965, Pinto, 1998).

Belloni defende que é importante saber o que as pessoas fazem com as mídias, com os artefatos midiáticos e técnicos.

É importante ‘compreender como a instituição escolar está lidando com esse imenso desafio. Quais as novas finalidades sociais da educação formal e não formal? Qual a escola que queremos? Que competências são necessárias para formar o cidadão do 3º milênio e seus professores?’ p. 22

Tecnologias e Educação

“Finalidades ampliadas e necessidades e demandas crescentes. Estas são as macros tendências para o futuro. Os sistemas de educação terão que dar respostas a estas demandas. A educação tende a crescer em número e em complexidade.” (Carmo, 1997; Perriault, 1996b; UNESCO, 1996) p.22

“As sociedades contemporâneas já estão a exigir um novo tipo de indivíduo e de trabalhador em todos os setores sociais e econômicos: um indivíduo dotado de competências técnicas múltiplas, habilidade no trabalho em equipe, capacidade de aprender e de adaptar-se a situações novas. Para sobreviver na sociedade e integrar-se ao mercado de trabalho do século XXI, o indivíduo precisa desenvolver uma série de capacidades novas: autogestão (capacidade de organizar seu próprio trabalho), resolução de problemas, adaptabilidade e flexibilidade frente a novas tarefas, assumir responsabilidades e aprender por si próprio e constantemente, trabalhar em grupo de modo cooperativo e pouco hierarquizado (Trindade, 1992).” P.22 e 23

“Será preciso reformular radicalmente currículos e métodos de ensino, enfatizando mais a aquisição de habilidades de aprendizagem e a interdisciplinaridade (o que implica diminuir a quantidade de conhecimentos)” p.23

“Os sistemas de educação terão necessariamente que expandir suas ofertas de serviço, ampliando seus efetivos de estudantes em formação inicial e criando novas ofertas de formação continuada.” P. 23

“A integração das novas tecnologias de informação e comunicação, não apenas como meio de melhorar a eficiência dos sistemas, mas principalmente como ferramentas pedagógicas efetivamente a serviço da formação do indivíduo autônomo.” P. 24

“Campos emergentes de pesquisa e práticas como a andragogia, a mídia-educação, a educação a distância e a comunicação educacional podem vir a contribuir inestimavelmente para a transformação dos métodos de ensino e da organização do trabalho nos sistemas convencionais.” P. 24

“A educação será um processo de autoaprendizagem, centrado no sujeito aprendente, considerado como um indivíduo autônomo, capaz de gerir seu próprio processo de aprendizagem.” P. 24

“As TIC estão cada vez mais presentes na vida cotidiana e fazem parte do universo dos jovens, sendo esta a razão principal da necessidade de sua integração à educação.” (Belloni, 1999) p. 25

Mediatização: da tecnologia à comunicação educacional

“Neste contexto de transformações socioculturais provocadas pela disseminação das tecnologias “da inteligência”, a mediatização das mensagens pedagógicas está no coração dos processos educacionais, merecendo este novo conceito que nos detenhamos um pouco em sua significação.” P. 26

“Mediatizar significa, então codificar as mensagens pedagógicas, traduzindo-as sob diversas formas, segundo o meio técnico escolhido.” “Definir as formas de apresentação de conteúdos didáticos, previamente selecionados e elaborados, de modo a construir mensagens que potencializem ao máximo as virtudes comunicacionais do meio técnico escolhido no sentido de compor um documento autossuficiente, que possibilite ao estudante realizar sua aprendizagem de modo autônomo e independente.” P. 26

“Mediatizar significa conceber metodologias de ensino e estratégias de utilização de materiais de ensino/aprendizagem que potencializem ao máximo as possibilidades de aprendizagem autonômoca. Isto inclui desde a seleção e elaboração dos conteúdos, a criação de metodologias de ensino e estudo, centradas no aprendente, voltadas para a formação da autonomia, a seleção dos meios mais adequados e a produção de materiais, até a criação e implementação de estratégias de utilização destes materiais e de acompanhamento do estudante de modo a assegurar a interação do estudante com o sistema de ensino.” P. 26 e 27

“As TIC, ao mesmo tempo em que trazem grandes potencialidades de criação de novas formas mais performáticas de mediatização, acrescentam muita complexidade ao processo de mediatização do ensino/aprendizagem, pois há grandes dificuldades na apropriação destas técnicas no campo educacional e em sua ‘domesticação’ para utilização pedagógica. Suas características essenciais – simulação, virtualidade, acessibilidade a superabundância e extrema diversidade de informação – são totalmente novas e demandam concepções metodológicas muito diferentes daquelas metodologias tradicionais de ensino, baseadas num discurso científico linear, cartesiano e positivista. Sua utilização com fins educativos exige mudanças radicais nos modos de compreender o ensino e a didática.” P. 27

Novos professores, outros alunos

“O papel do professor tende a ser amplamente mediatizado: como produtor de mensagens inscritas em meios tenológicos, destinadas a estudantes a distância, e como usuário ativo e crítico e mediado entre estes meio e os alunos!” p. 28

“Os novos ‘modos de aprender’ são ainda uma incógnita para a maioria dos professores. “ (Perriault, 1996b)

“A introdução da imagem e seus suportes técnicos (a tela da TV e do computador) no universo da palavra escrita suscita muitas interrogações ainda sem resposta. Como utilizar a imagem como fonte do saber?” p. 28

“Embora seja ainda uma utopia o aluno autodidata que espera encontrar no professor um parceiro para construção do conhecimento, a autodidaxia já é uma característica essencial dos modos de aprendizagem das crianças e jovens em sua relação com as máquinas de informação e comunicação, sendo, pois, fundamental que a formação de professores inclua este elemento novo!” p. 28

“O professor terá que aprender a trabalhar em equipe e a transitar com facilidade em muitas áreas disciplinares. Será imprescindível quebrar o isolamento da sala de aula convencional e assumir novas e diferenciadas funções. A figura do professor individual tende a ser substituída pelo professor coletivo.” P. 29

“O professor terá que aprender a ensinar a aprender!” p. 29

Educação como autoformação – “Sem uma educação adequada para a apropriação crítica desses dispositivos técnicos, corremos o risco de criar não uma sociedade da informação, mas uma sociedade de ciberexcluídos ou de cibernaufrágos.” (Martin, 1998) p. 29

“Deve a escola educar também para a cidadania ou só para a produção?” p. 29

 Capítulo 3 – Mídia-educação: Ética e Estética 

O papel da televisão no processo de socialização

“Os jovens, em sua maioria, consideram que aprenderam algo importante e sério pela televisão. Para eles, a telinha tem uma grande legitimidade, como fonte do saber, semelhante à da escola. É portanto, reconhecida como ator importante pelos próprios sujeitos desse complexo processo de socialização.” P. 31

“A sociedade perpetua-se através de um amplo processo de transmissão a cultura: o saber acumulado (a ciência e a técnica), os valores, as representações e as normas coletivas (as estruturas simbólicas) são apresentados às crianças e adolescentes como imagens e modelos em sua experiência, utilizando-se deles em suas interações, aceitando-os ou recusando-os, testando seus próprios limites. A socialização é o resultado destas interações características deste processo são mediatizadas, principalmente, mas não exclusivamente, pela linguagem verbal, razão pela qual sempre baseamos nossas pesquisas na análise do discurso dos jovens sobre a telinha e suas mensagens.” P. 32

“Nas sociedades contemporâneas (de economia globalizada quanto ao capital, mas localizada quanto ao trabalho) a importância dos meios de comunicação e, mais recentemente, das tecnologias de informação é muito grande em todas as esferas da vida social, com conseqüências claras para os processos culturais, comunicacionais e educacionais.” P. 32

“A escola, por exemplo, instituição especializada em socialização, ainda não absorveu as transformações nos modos de aprender de sua clientela, trazidas pela televisão, e já se depara com os laboratório de informática, que vieram para ficar, com suas novas linguagens multimídias e potencialidades interativas.” P. 32

“O processo de socialização é o espaço privilegiado da transmissão social de valores, dos modos de vida, das crenças e representações, dos papéis sociais e dos modelos de comportamento.”p. 33

“Enquanto a família, classe social, o bairro e, às vezes, a religião são fatores de unificação – o objetivo é o consenso – difundindo os valores e normas consideradas comuns a todos numa sociedade.” P. 33

“As significações transmitidas pela televisão são apropriadas e reelaboradas pelas crianças a partir de suas experiências e integram-se ao mundo vivido no decorrer de novas experiências.” P. 34

“A aprendizagem da criança frente á televisão é involuntária, inconsciente, sem querer, sem saber.” P. 35

“É extremamente difícil avaliar a importância da televisão enquanto instituição de socialização, devido à complexidade deste processo, no qual a interiorização das normas e valores transmitidos depende também da aceitação ativa das crianças e adolescentes, que lhes atribuem – ou não – legitimidade.” P. 35

Violência

Belloni fala sobre o sucesso da violência na televisão, cada vez mais utilizada como estilo estético, o que tende a banalizar o efeito no espectador, que acaba achando engraçadas as cenas de terror.

“O excesso de imagens violentas na TV, característica antiga da nossa paisagem audiovisual, tende a naturalizar e a legitimar o uso da violência como meio de resolver conflitos.”

Onde a cultura dominante é o consumismo e a felicidade é identificada como mercadoria. Bem X Mal. A divisão maniqueísta do mundo que lhes é proposta. E essa relação, tende a “justificar o uso da violência como meio legítimo de resolver conflitos, desde que usada em defesa de fins considerados nobres, do ‘bem’, identificado com a sociedade, o país, a ordem ou a justiça.” P. 37

E a não violência acaba sendo ‘conotada como símbolo de covardia e caminho para derrota e a frustração.’ P. 38

“Num país de profundos contrastes sociais, minado pela miséria e ignorância, a violência acaba sendo percebida como meio legítimo de sobrevivência!” “Ações coletivas para resolver problemas não fazem parte do discurso dos jovens, coerente com a moral predominante no discurso televisual.” p. 38

“A crença de que a televisão reflete, como um espelho, a realidade violenta que vivemos parece ser uma idéia aceita por muitos jovens, mas também por adultos. A participação – mediatizada pela TV – nos conflitos mundiais, por exemplo, dá ao telespectador a impressão de viver num mundo violento, mesmo quando ele mora numa pacata cidade do interior. Para a maioria, que vive nos grandes centros urbanos, esta impressão é confirmada pela violência real. É preciso relativizar esta questão: mesmo vivendo em cidades violentas não somos testemunhas ou vítimas de situações violentas todos os dias.” P. 38 e 39 (Bellonii, 1992ª)

“Dupla ilusão criada pela televisão: de que reflete o real de modo realista e de que esta realidade é terrivelmente assustadora, cheia de violência que nos ameaça, mas que finalmente somos felizes em viver de modo tranqüilo.” P. 39

“A violência é valorizada como sinal de coragem e meio de obter êxito (ser um ‘vencedor’), a não violência E acaba sendo ‘conotada como símbolo de covardia e caminho para derrota e a frustração.’” P. 38 e 39

Sexualidade

“A televisão funciona como uma janela para o mundo dos adultos, apresentando às crianças e adolescentes, formas estereotipadas dos valores, normas e modelos de comportamento socialmente dominantes!” “E eles não tem maturidade ainda de compreender, muitas vezes, provocando conflitos e ansiedade”. P. 40

“As narrativas vão sendo construídas a partir de fórmulas de sucesso, e a cada repetição, o estereótipo é refinado, aperfeiçoando seu potencial comunicativo.” P. 41 E essa repetição acaba se tornando modelos de comportamentos padronizados. P. 44

“As mensagens da telinha, porém, também agem por impregnação, de modo quase subliminar, pois o ‘conteúdo’ é mascarado pela forma, por apelos comunicacionais muito eficazes, tais como alusões arquetípicas, situações humorísticas ou de grande dramaticidade, personagens vividos por galãs ou atrizes muito apreciadas.” P. 41

Belloni ressalta que meninas e meninos tem comportamentos diferentes em relação à televisão. (p. 43)

Educação para as mídias

Diante de todos os problemas listado por Belloni, uma educação para mídia se faz necessária.

“É ilusório pensar que a mídia triunfante irá renunciar ao seu poder e se adaptar aos objetivos da escola. Também é ilusório esperar que as famílias (sobretudo nas camadas mais pobres) tenham condições de conscientizar seus filho se educá-los para a leitura críticas das mensagens da televisão. Somente a escola pode – teórica e praticamente – conceber e executar mais esta tarefa fundamental de educação para mídia. Como depositária do espírito crítico, responsável pela elaboração das aprendizagens e pela coerência da informação, a escola detém a legitimidade cultural e as condições práticas de ensinar a lucidez às novas gerações. Diante dos desafios da técnica em geral e da mídia em particular, a escola deve se adaptar, se reciclar e se abrir para o mundo, integrando em seu ensino as novas linguagens e os novos modos de expressão.” (UNESCO, 1984 apude Belloni, 1991) p. 44 e 45

“O receptor crítico, ativo, inteligente, capaz de distanciar-se da mensagem midiática e exercer sobre ela seu poder de análise e crítica, de outro lado, a formação do comunicador, visando à qualificação plena do profissional não apenas competente, mas responsável, capaz de distanciar-se do imediatismo típico da mensagem midiática e de exercer sobre ela uma influência esclarecedora, realmente informativa – ética – escapando das armadilhas da manipulação fácil.” (Belloni, 1995) P. 45

“A educação para a mídia é a necessidade de integrar os meios de comunicação à escola, do ponto de vista dos novos modos de expressão que eles introduzem no universo infantil.” “A mídia representa um campo autônomo do conhecimento que deve ser estudado e ensinado às crianças da mesma forma que estudamos e ensinamos literatura, por exemplo. A integração da mídia à escola tem necessariamente que ser realizada nestes dois níveis: enquanto objeto de estudo, fornecendo ás crianças e adolescentes os meios de dominar esta nova linguagem; e enquanto instrumento pedagógico, fornecendo aos professores, suportes altamente eficazes para a melhoria da qualidade do ensino, porque adaptados ao universo infantil.”   P. 46 (Belloni, 1991)

Nesse sentido, “será preciso formar os educadores para esta tarefa e também promover o desenvolvimento dessa ‘nova disciplina universitária’”, onde as ciências da informação e comunicação se cruzam. (Gonnet, 1997)

O papel da escola é formar um cidadão competente para o futuro! P. 48

Capítulo 4 – Reflexões sobre a mídia

“Toda a vida das sociedades nas quais reinam as condições modernas de produção se anuncia como uma imensa acumulação de espetáculos. Tudo o que era diretamente vivido virou uma representação. O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas, mediatizada pelas imagens.” (Guy Debord, A sociedade do espetáculo, 1971)

Na sociedade do espetáculo e de produção de massa, ‘a obra de arte’ (que sempre foi mercadoria) é agora produzida em série e reproduzida ao infinito pela fria eficiência da máquina, diria Benjamin. A produção cultural é coletiva, o que deixa pouco lugar à criação original e individual e à arte popular. P. 50

“Além de babá, a televisão atua como professora, como conselheira e, provavelmente, como companheira!” p. 51

Belloni diz que a TV age como uma droga sobre as crianças pequenas, de acordo com inúmeras pesquisas.
P. 51

“É preciso compreender as regras de produção desse discurso ideológico da mídia que invade nossa vida cotidiana. E estas regras são produzidas nos países desenvolvidos.” P. 52

“A utilização das máquinas para a produção é antiga e já mereceu atenção de grandes pensadores, a começar por Marx no século XIX. O que é novo na sociedade atual não é a mecanização do trabalho, mas a mecanização da vida em geral, da esfera privada da vida social: o lazer, a cultura, a vida doméstica. O homem moderno, urbano e ‘racional’ passa durante seu dia de uma máquina a outra para trabalhar, tranportar-se, preparar seus alimentos, conversar, divertir-se e até namorar.” P. 54

“Toda sociedade reproduz sua cultura no indivíduo, sob forma de personalidade.” P. 56

“O homem e sua consciência são produtos de uma sociedade. O homem é um ser social e isto significa que ele é o resultado de sua sociedade. O processo de socialização, realizado pela família, escola e outras instituições sociais, influi sobre o indivíduo para que ele se conforme às normas sociais dominantes, ao mesmo tempo em que lhes transmite os conhecimentos técnicos acumulados pelas gerações anteriores e desenvolve habilidades necessárias para sua adaptação ao sistema social e econômico.” P. 56

“A escola partilha cada vez mais sua responsabilidade na socialização dos jovens e crianças: a televisão, em particular, preenche parte do tempo livre das novas gerações. Aumenta, assim, inexoralmente, o controle da sociedade organizada, planejada, tecnificada, sobre o indivíduo. O controle social é então exercido sob múltiplas formas e através de instituições várias entre as quais a escola e a mídia são as mais importantes.” P. 57

“As crianças e adolescentes nas sociedades contemporâneas, aprendem mais com a televisão do que com pais e professores.”

“Os homens de todas as épocas sempre tentaram exorcizar o tempo através de imagens!”
“Essa vontade de transcender a morte e ficar para sempre cristalizado na representação de si mesmo.” “O retrato e a estátua nos permitem evitar a morte espiritual – o esquecimento!” p. 60

Se antes o homem produzia as imagens, agora são mecanismos que ‘sozinhos’ criam imagens, que acabam substituindo as experiências realmente vividas. Mas de alguma forma, é uma forma do homem se perpetuar...

O homem moderno é narcisista. Se preocupa com a aparência, com sua imagem, com a velhice e morte, e não pensa nas gerações futuras.

“A vida moderna é tão completamente mediatizada por imagens eletrônicas que não podemos deixar de reagir aos outros como se suas ações – e as nossas – estivessem sendo gravadas e transmitidas, simultaneamente, a uma audiência invisível, ou então armazenada para mais tarde serem examinadas de perto. Sorria, a câmera observa você!” (Lasch, 1979) – Relação com o filme O Show de Truman.

“A celebridade é um mito típico das sociedades contemporâneas. ‘Aparecer na televisão’.” P. 63 (fascínio por reality shows)

“Este mundo do simulacro, da aparência, vai formando a personalidade das novas gerações. A escola enquanto canal de socialização vai perdendo sua importância no processo de transmissão cultural e especializa-se na transmissão de conhecimentos e técnicas ligadas principalmente ao mundo do trabalho, da produção. A educação entendida como ‘formação integral da personalidade’ fragmenta-se como função de diferentes instituições sociais especializadas.” P. 65

“O mundo real povoa-se de imagens em lugar de ser animado por ações e interações humanas.”

“Esta presença constante de imagens fictícias, que ocupam partes cada vez maiores do tempo livre das crianças, rouba-lhes o tempo da não-escola, dedicado ao brinquedo e à imaginação e à vida social cheia de experiências interativas com seus pares e com os adultos.” P. 66

Capítulo 5 – Programa Formação do Telespectador

“Como modernizar o ensino – adaptando-o às exigências das novas gerações – sem perder de vista suas finalidades maiores (formação do sujeito consciente autônomo, ou da cidadania), sem se deixar envolver  dominar pelo tecnicismo mecânico e redutor?”” p. 70

Belloni defende este programa com a finalidade de que o aluno possa ‘perceber os truques da telinha, compreender suas técnicas de persuasão, desmontar sua magia para ver como funciona.’

Um usuário que possa ‘escolher a programação, pratique o zapping inteligente, exercendo sempre um olhar atento e crítico sobre as mensagens da televisão. E até mesmo desligar esta máquina muito especial e ir viver a vida em vez de ficar a vendo passar na telinha.’ P. 70

Belloni defende a importância de dar informações, levantar questões, provocar os jovens, criando desafios que deverão contribuir para o desenvolvimento do senso crítico e da percepção consciente, para formação de atitudes ativas frente à televisão. Isso seria educar para a mídia!!

Diante da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a escola deve se preparar para ensinar Mc Luha e Gutemberg, o que ‘significa estudar a televisão e suas mensagens como se estuda literatura.’

2 comentários: